Decorando o seu navio da maneira adequada

Como um dos principais países do mundo em extensão territorial, é de se imaginar que o Brasil tenha uma costa extensa. O litoral da nação tem impressionantes 7.367 quilômetros – ou 9.200, se consideradas as reentrâncias. Além disso, o país tem muitos rios navegáveis em todas essas regiões.

Todos esses fatores têm uma consequência importante para o uso de barcos. Enquanto que em algumas comunidades mais remotas eles são o único meio de transporte, em outras eles são usados como local de lazer, de modo a aproveitar melhor as belezas naturais do país.

Neste último caso, é interessante que o seu interior conte com um projeto decorativo bem elaborado, que o valorize e torne-o mais agradável para os seus ocupantes.

Quer aprender mais sobre a decoração de barcos? Então continue lendo este artigo e confira algumas dicas para isso a seguir.

  1. Invista em móveis sob medida

Os moveis sob medida estão entre os itens que mais valorizam o ambiente. Isso porque, como o seu próprio nome diz, eles são confeccionados especialmente para o cômodo no qual serão instalados.

Por conta disso, o cliente tem liberdade para definir aspectos como:

  • Qual madeira que será utilizada;

  • A cor;

  • A divisão interna dos móveis;

  • Os puxadores de gavetas e armários.

No caso dos navios, há, ainda, outro fator que os torna ainda mais interessantes: o espaço reduzido.

Como a marcenaria prega o aproveitamento estratégico de cada centímetro, contar com ela é a garantia de que nenhuma medida será desperdiçada.

Essa solução, entretanto, tem como desvantagem o custo. Afinal, os estabelecimentos que atuam neste segmento costumam ter uma inspiração premium – ou seja, trabalham com materiais nobres e mão-de-obra especializada.

A boa notícia é que, caso ele fuja ao orçamento, uma alternativa é utilizar os móveis modulados.

Trata-se de peças que, apesar de serem vendidas já prontas, são comercializadas em módulos, o que permite que elas sejam combinadas da maneira que o ocupante do espaço quiser, o que se traduz em um maior aproveitamento do espaço.

  1. Considere o movimento do navio

Por mais que a estética seja um fator importante em qualquer projeto decorativo, é preciso que a funcionalidade também seja analisada.

Na prática, isso significa que de nada adianta uma decoração ser bonita se ela não puder ser devidamente aproveitada pelos ocupantes do espaço.

No caso dos navios, há um fator relativo a isso que merece atenção: o movimento.

Quando o mar ou a correnteza do rio estão mais fortes, a tendência é que a embarcação balance, o que significa que peças deixadas soltas podem se mover.

Para evitar que isso aconteça, é interessante acoplar a mobília na parede ou ao piso, além de limitar o uso de objetos quebráveis o mínimo possível.

  1. Não se esqueça da pintura

Quando se trata da pintura de navio, é preciso ter em mente que ela não tem uma função apenas estética isso porque ela também é essencial para a durabilidade da embarcação.

O motivo por trás disso é que a tinta serve como camada protetora para o casco, reduzindo o seu ritmo de desgaste.

No caso de espaços fechados no interior da embarcação, isso também se aplica: é preciso que o material de pintura seja escolhido não apenas por conta da beleza, como, também, pela durabilidade e proteção da estrutura contra o efeito da maresia.

Assim, a vida útil do serviço será muito mais longa.

  1. Fique atento às questões trabalhistas

Nenhum projeto decorativo pode ser desenvolvido se não houver mão-de-obra qualificada envolvida. Entre arquitetos, decoradores, marceneiros e pintores, pode ser preciso contar com uma equipe grande e diversa para assegurar um bom resultado.

Além disso, é preciso ter em mente que a legislação trabalhista brasileira estabelece regras especiais para quem atua em ambientes perigosos e insalubres.

Uma destas categorias diferenciadas é o trabalho em espaço confinado, definido como o exercício de funções em ambientes não projetados para a ocupação humana contínua, no qual as entradas e saídas sejam restritas, e/ou haja dificuldade para que o ar se renove.

Quem atua nesses locais deve receber um valor adicional a mais pelas condições às quais se sujeita.

No caso dos navios, projetos que envolvam os porões podem se enquadrar nesta categoria. Assim, é preciso estar atento e cumprir todas as determinações da legislação trabalhista; do contrário, o proprietário da embarcação pode sofrer multas e outras sanções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *